PS4 - GODZILLA

Ref: 722674120579

R$8,00

O velho Godzilla de sempre

Godzilla é considerado o primeiro tokusatsu, nome dado aos programas de TV ou filmes japoneses que usam efeitos especiais e pessoas vestidas com roupas coloridas ou de plástico. Neste caso, Godzilla estreou em 1954 e foi considerado o “pai” do tokusatsu, pois deu origem ao gênero.

Godzilla retorna em novo game (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)
Godzilla retorna em novo game (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)
 

Por causa disso, até mesmo as produções atuais japonesas mantêm o clima “tosco”, propositalmente, com aquele charme já conhecido dos filmes antigos. O monstro ainda é "interpretado" por um dublê vestido com uma fantasia de borracha. Os efeitos especiais, por sua vez, continuam risíveis, e as explosões nas cidades também são feitas a partir de maquetes miniaturizadas. Isto, é claro, vale apenas para as produções orientais, pois não contempla as tentativas hollywoodianas de adaptar a criatura para os cinemas ocidentais.

O game traz várias versões de Godzilla (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)
Godzilla: game traz várias versões do monstro (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)
 

É de se imaginar que um jogo de Godzilla seguisse esse exemplo de perto, e é mais ou menos o que ocorre. Neste título, o que vimos é uma sequência que narra as origens do monstro como ameaça e sua importância para a história do Japão fictício do game. Após sumir por um tempo, o lagartão deu origem à Energia-G, usada em usinas nipônicas para dar potência a máquinas e outros elementos sustentáveis.

Destrua a cidade e ganhe pontos (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)
Godzilla: destrua a cidade e ganhe pontos (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)
 

Mas isso logo muda quando Godzilla ressurge e traz a destruição com ele novamente. O jogador assume o papel do lagarto gigante e deve basicamente destruir tudo o que vê pelo caminho, principalmente os geradores de Energia-G, que o atraem às mais diversas cidades ao longo da costa japonesa.

No papel do monstro

Controlar Godzilla parece uma tarefa complicada, mas os botões e configurações tentam passar o sentimento de comandar um monstro gigante e pesado. Os movimentos são coordenados pelo analógico: para frente, para trás ou lados. No entanto, para fazer uma curva é preciso pressionar os botões R1 ou L1, como se fosse uma máquina.

Os comandos podem ser atrapalhados um pouco (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)
Godzilla: os comandos podem ser atrapalhados um pouco (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)
 

Outros comandos no joystick servem para atacar com garras, cauda ou até mesmo com o sopro de energia devastador do personagem, um dos elementos mais clássicos. No geral, apesar dos controles serem atrapalhados, eles parecem ter sido configurados propositalmente. É claro que isso não deve agradar a todos, principalmente quem espera um Godzilla mais esguio e ágil, mas, no original, ele é realmente lento e desengonçado.

A missão de Godzilla, claro, não será nada fácil, já que a humanidade vai sempre contra-atacar. Ao longo das fases do modo principal, o jogador encara exércitos – com tanques, jatos, unidades de tiro pesado e máquinas voadoras complexas – e até mesmo outros monstros, ou “kaiju”, como também é chamado o gênero de filmes japoneses com criaturas gigantes.

É preciso avançar pelos cenários, destruindo tudo (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)
Godzilla: é preciso avançar pelos cenários, destruindo tudo (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)
 

O modo principal é bem interessante, já que permite alguma exploração de cenário, em busca de elementos escondidos para completar 100% da história, além do fato de que Godzilla pode crescer bastante de tamanho de acordo com a destruição proporcionada na cidade. Mas, para quem busca mais desafios e conteúdo, há outros modos que valem a pena ser explorados.

Rei dos kaijus

O novo game da criatura funciona como uma espécie de homenagem à sua trajetória. Por isso mesmo ele tem uma enorme coleção de kaijus e participações especiais, inclusive de King Dorah e Mothra, monstros clássicos que apareceram em filmes nostálgicos do protagonista.

O modo Rei dos Kaijus traz batalhas entre dois monstros (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)
Godzilla: o modo Rei dos Kaijus traz batalhas entre dois monstros (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)
 

Eles aparecem não apenas na campanha principal, mas também em outros modos, como o “Rei Dos Kaiju”, no qual é possível enfrentar outros monstros, mais ou menos como em um jogo de luta, ou até mesmo no multiplayer, em que um jogador encara o outro, cada um no controle do seu gigante.

Um dos modos mais interessantes, porém, é o de construção de maquetes. Aqui o usuário pode construir miniaturas de monstros e cidades, desbloqueados ao longo da trama, para recriar momentos dos filmes ou até mesmo cenas geradoras de uma boa foto, que por sua vez pode ser compartilhada com o sistema social embutido no PS4, por exemplo.

Mothra também está no novo Godzilla (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)
Godzilla: Mothra também está no novo jogo (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)
 

Há ainda a modalidade de evolução de monstros, que melhora as criaturas em relação ao início do jogo, de acordo com os elementos desbloqueados durante a campanha principal.

Algumas considerações

Apesar de ser bastante nostálgico, o game tem alguns problemas. Primeiro, há o fato deste ser um jogo de nicho, por isso pouca gente vai se interessar pela aventura, pois ela é produzida apenas para os fãs do gênero e não tem medo de mostrar isso logo de cara. Além do mais, o título carece de controles melhores em alguns momentos e clareza maior durante as fases.

Modo de maquetes (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)
Godzilla: modo de maquetes (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)
 

Por exemplo: Godzilla não tem uma barra de energia, por isso pode ser derrubado sem que o jogador tenha controle sobre o status de vida do réptil. Além disso, o design do jogo é bem pobre. E não estamos falando apenas dos gráficos, mas também do design geral das fases. Apesar de alguns efeitos serem bem interessantes, com muita destruição e partículas voando, os cenários são pouco desenvolvidos e ainda menos inspirados.

É possível concluir a história de diversas formas, com elementos diferentes, mas não espere muita variedade entre um estágio ou outro. A troca de generais que enfrentam Godzilla com seus exércitos parece interessante apenas no papel: na verdade não é nada demais e influencia pouco no jogo em si.

O game tem alguns problemas graves (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)
Godzilla: o game tem alguns problemas graves (Foto: Reprodução/Felipe Vinha)
 

No áudio, porém, o game mostra uma faceta inteligente: é possível jogar com vozes originais em japonês. Isso confirma ainda mais a sensação de se acompanhar um filme clássico de Godzilla no clima “de verdade”, como uma legítima produção japonesa.

Fonte: Techtudo

Estado: Usado
Marca: Bandai Namco
Categoria: Playstation 4

Enviar comentário

voltar para Locadora

bdt b02|left fwR bsd b01s uppercase|fwR show c05n bsd b01s uppercase left||||news login bdt b02|c05|b01 c05 bsd|login news c05|c05|signup|content-inner||